Halitose (mau hálito)

10/18/2016

 

A halitose é o termo médico utilizado para descrever a presença de um hálito desagradável, com origem em alterações variadas na cavidade oral ou outras localizações.  

 

Trata-se de um condição com frequência real desconhecida mas com grande impacto social e na autoestima das pessoas afetadas. Num estudo realizado em Portugal a prevalência de halitose foi de aproximadamente 49,5%. 

 

A nível oral, podemos apontar como principais causas de mau hálito as seguintes: 

  • má higiene oral; 

  • presença de lesões de cárie; 

  • doenças gengivais (gengivite e periodontite); 

  • ulcerações orais; 

  • infeções orais (bacterianas, virais ou fúngicas); 

  • próteses dentárias mal higienizadas; 

  • diminuição do fluxo salivar; 

  • cancro oral; 

Existem, ainda, causas externas que podem provocar mau hálito como: ingestão de certos alimentos no nosso dia-a-dia (alho, cebola), tabaco, consumo de álcool e medicação que desencadeie diminuição do fluxo salivar.  

 

Ao longo dos anos houve sempre a ideia de associação de mau hálito com problemas gástricos, que é considerada muito rara, mas que pode surgir em casos de: refluxo gastro-esofágico, cancro do estômago, síndrome de má absorção ou infeções intestinais.  

 

De manhã, ao acordar, é normal que sintamos um hálito mais intenso, o chamado “hálito matinal”, fruto da diminuição da produção salivar mas também da abstinência de ingestão durante o período noturno.  

 

O diagnóstico da halitose deverá ser feito pelo médico-dentista, através de uma história clínica detalhada mas também de um exame objetivo intra e extra-oral. Podem, ainda, ser realizados alguns exames complementares como testes salivares e microbiológicos. 

 

O tratamento e a prevenção do mau hálito passam por uma correta higiene oral, incluindo: escovagem e limpeza interdentária e uso de raspadores linguais para higienização da língua.Não descurando a visita regular ao dentista, o tratamento das lesões de cárie e dos problemas gengivais e periodontais. É ainda aconselhado a ingestão diária de água para manter uma correta hidratação.  

 

Através de diferentes método de auto-percepção, o paciente pode avaliar o seu hálito: 

 

“método da colher”: o doente pode utilizar uma colher plástica para avaliação do seu hálito, com a qual deve raspar o dorso da língua, eliminando a placa lingual; 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"teste de lamber o pulso”: o doente deve deitar a língua de fora e lamber o seu próprio pulso, de forma perpendicular; decorridos cinco segundos e a uma distância de três centímetros, deverá fazer a avaliação. Este método poderá ser realizado por outra pessoa que não o próprio doente; 

 

 

“avaliação olfativa global”: o doente é ensinado a colocar as suas mãos fechadas em frente do nariz e da boca em copa, posteriormente o ar expirado pela boca é avaliado pelo próprio. Este teste permite fazer avaliação geral do hálito; 

 

 

 

 “avaliação olfativa por outros”: este é considerado o melhor método de avaliação da halitose, muito embora, muitas pessoas não se sintam à vontade para utilização do mesmo.  

 

Partilhar no Facebook
Please reload

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon
  • White LinkedIn Icon

© GanhaSorriso - Serviços Médicos, Lda